O que é

Com a proposta de uma gestão escolar participativa, técnica e transformadora, orientada para resultados, o projeto Jovem de Futuro busca impactar a qualidade do aprendizado de estudantes do Ensino Médio público brasileiro.

Aplicado de maneira laboratorial – fase piloto – nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, o projeto obteve relevantes resultados no aprendizado dos estudantes. Essas experiências permitiram, em 2012, a realização da parceria com o Ministério da Educação (MEC), promovendo a integração com o Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) – que propõe o redesenho curricular da última etapa da Educação Básica, focado em um currículo dinâmico e flexível.

Dessa maneira, a criação do Programa Ensino Médio Inovador/Jovem de Futuro (ProEMI/JF) reflete o desenho estruturado de uma parceria público privada que permitirá atingir, até 2018, todas as escolas públicas de Ensino Médio do Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí, pela execução das respectivas Secretarias Estaduais de Educação. Isso representa mais de 2.500 mil escolas e cerca de 2 milhões de jovens.

A fase piloto representa um período de testagem da tecnologia social no modelo concebido pelo Instituto Unibanco, com apoios técnico (supervisão direta) e financeiro (aporte de recursos) proporcionados pelo Instituto, em ambiente real – escolas públicas, com baixos índices educacionais e alta heterogeneidade. Essa fase é de extrema relevância, pois foi a partir de suas experiências e do impacto positivo no aprendizado dos estudantes que o projeto pôde ser disseminado em larga escala e receber os ajustes necessários.

Ao final do ciclo de três anos do projeto, a avaliação de impacto demonstrou que, além do progresso obtido pela rede de ensino, o avanço em Língua Portuguesa das escolas da Grande Porto Alegre, participantes do Jovem de Futuro, só poderia ser alcançado pelas instituições não atendidas pelo projeto em 3,7 anos, e em Matemática, levariam 23 anos para atingir a meta.

Participam da fase piloto escolas de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo (Grande São Paulo e Vale do Paraíba). O compromisso firmado entre o Instituto Unibanco e as quatro Secretarias de Educação contempla dois grupos de escolas, sendo que, inicialmente, um recebe o Projeto e o outro realiza avaliações para comparar o desempenho dos alunos dos dois grupos. Finalizado o primeiro ciclo de escolas, um novo grupo de instituições de ensino recebe o projeto.

Os bons resultados obtidos pelo projeto na fase piloto permitiram a realização da parceria entre o Instituto Unibanco e o Ministério da Educação (MEC), gerando a integração do Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) e do Jovem de Futuro. A criação do ProEMI/JF possibilitou a expansão em larga escala com a adesão voluntária das Secretarias de Educação do Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí, integrando suas respectivas políticas públicas educacionais.

Além de incentivar o redesenho curricular das escolas, com orientação da política educacional e aporte financeiro direcionados pelo MEC, o ProEMI/JF busca fortalecer a gestão escolar, com foco na melhoria da aprendizagem dos estudantes. Por essa razão, o Instituto Unibanco oferece formação para gestores e supervisores, apoio técnico, acompanhando e monitoramento dos resultados por meio de instrumentos pedagógicos e gerenciais.

Os Estados são os responsáveis por toda implementação do ProEMI/JF em suas respectivas redes, com infraestrutura e equipe necessárias, inclusive disponibilizando equipes de técnicos para a supervisão e monitoramento das escolas.

A Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência (SAE) também é parceira, realizando as avalições de impacto do ProEMI/JF.

Para atestar a sustentabilidade do conhecimento gerado e dos bons resultados obtidos pelas escolas que participaram da fase laboratório do projeto, em outubro de 2011, foi criada a Rede Jovem de Futuro (Rede).

A Rede é formada por escolas públicas de diferentes regiões do país, que concluíram um ciclo do Jovem de Futuro (três anos de aplicação do projeto). O objetivo é contribuir para a melhoria da qualidade do Ensino Médio público por meio de ações conjuntas e trocas de experiências e de informações, que possam servir de referência em educação. O objetivo é que o aprendizado consolidado por esse grupo de escolas seja repassado para as demais instituições de ensino que integrarão a Rede.

Ao longo do ano, a Rede promove encontros para trocas de experiências, formações e discussões estratégicas, estruturados em:

– Encontros de Polo: mensalmente, com todas as escolas participantes em cada estado;
– Comitê Local: mensalmente, formado por representantes de escolas da mesma localidade;
– Governança Nacional: semestralmente, formado por representantes dos polos e do Instituto Unibanco.

A continuidade dos encontros acontece em uma plataforma virtual, concebida e desenvolvida pelo Instituto Unibanco, chamada Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) (link para o AVA).