TOPO

Sobre nós

Criado em 1982, o Instituto Unibanco atua para a melhoria da educação pública no Brasil por meio da gestão educacional para o avanço contínuo. O Instituto apoia e desenvolve soluções de gestão para aumentar a eficiência do ensino nas escolas públicas. Além de resultados sustentáveis de aprendizagem, trabalha pela equidade no ensino, tanto entre as escolas, como no interior de cada uma delas, com base em quatro valores fundamentais: Valorizar a diversidade, acelerar transformações, conectar ideia e ser orientado em evidências.

O Instituto Unibanco apoia ações e projetos em quatro frentes:

  1. conceber, desenvolver, implementar e avaliar soluções para a gestão educacional;
  2. produzir e difundir conhecimento sobre essas soluções, com base em evidências empíricas e na investigação científica;
  3. apoiar iniciativas para vencer os desafios do Ensino Médio;
  4. ocupar posições estratégicas e intensificar articulação junto aos principais atores e tomadores de decisão de políticas públicas na área da educação.

O Instituto Unibanco é mantido por um fundo patrimonial (endowment), que lhe garante o alinhamento estratégico e a oferta gratuita de serviços e produtos para secretarias de educação, escolas, profissionais de educação e estudantes que participam de seus projetos.

LINHA DO TEMPO

NOSSOS GRANDES MARCOS
2021
2021
2020
2019
2018
2017
2016
2015
2014
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2002
1982

Jovem de Futuro

– Centralizamos esforços na busca por soluções e caminhos para mitigar os impactos da pandemia nas redes parceiras (ações de recuperação das perdas de aprendizagem e busca ativa).

– Em MG, ampliamos a abrangência do programa, alcançando 35 Superintendências Regionais de Ensino e 1.927 escolas.

Pesquisas

Dentre as pesquisas lançadas, vale destacar a coordenada por Ricardo Paes de Barros e Laura Muller (Insper), que estimou o impacto da pandemia na aprendizagem dos estudantes em 2020 e dois informes de políticas públicas “Liderança escolar para a melhoria da educação” e “Seleção de diretores escolares”, em parceria com a Universidad Diego Portales.

Advocacy

Promovemos ciclos de debates online em parceria com a Frente Parlamentar Mista de Educação Básica e com o Conselho Nacional de Educação, além de encontros sobre temas caros ao Instituto em conjunto com organizações como Instituto Península (sobre formação docente), Instituto Alana (sobre educação inclusiva) e UniPeriferias (sobre educação das relações étnico-raciais e de gênero).

Gabinetes de crise

Em função do fechamento das escolas para contenção da pandemia de Covid-19, reorganizamos nossas ações e apoiamos as Secretarias Estaduais parceiras do Jovem de Futuro na instalação de gabinetes de crise e na elaboração dos planos de retomada, entre outros.

12 anos de Jovem de Futuro

São lançados dois livros que relatam a trajetória de 12 anos do Jovem de Futuro e os resultados da avaliação de impacto do programa.

CPTE

É institucionalizado o Centro de Pesquisa Transdisciplinar em Educação (CPTE), que reúne pesquisadores de diferentes áreas, com estudos voltados ao aprimoramento do Jovem de Futuro.

Editais

São abertos dois editais:

Edital de Fortalecimento Institucional, para apoio técnico e financeiro a 30 organizações, durante 3 anos, que desenvolvam projetos e iniciativas conectados com a aprendizagem, a redução das desigualdades e a construção de uma escola pública inclusiva e democrática.

Edital Conexão Juventudes, para seleção de 6 projetos de documentários de 26 minutos, elaborados por produtoras do CE, ES, GO, MG, PI e RN), que contem histórias inspiradoras relacionadas ao Ensino Médio público.

Frente humanitária

Cerca de 50 milhões de reais são destinados a organizações parceiras no Rio de Janeiro, Ceará e Minas Gerais para aquisição e distribuição de kits de alimentos e de higiene, refeições prontas e cartões pré-pagos para transferência de renda, entre outras ações. Em torno de 500 mil pessoas são beneficiadas por essa agenda humanitária.

  • Implementação no Estado de Minas Gerais

Depois de uma fase de validação, entre 2008 e 2014, o programa Jovem de Futuro é implementado em escala nas escolas de Ensino Médio do estado de Minas Gerais.

  • Premiação do Jovem de Futuro

O Jovem de Futuro recebe a medalha de bronze na categoria “Latin America Regional Award” do Reimagine Education Awards. O prêmio seleciona os projetos mais bem-sucedidos na criação de iniciativas educacionais transformadoras, que melhorem os resultados de aprendizagem de estudantes e/ou empregabilidade.

  • Seminários

O foco do terceiro Caminhos para a Qualidade da Educação Pública é o Desenvolvimento Profissional de Gestores. O tema do segundo Desafios Curriculares do Ensino Médio é “flexibilização e implementação”. Além disso, seminários sobre boas práticas de gestão de redes de ensino reuniram cerca de 2 mil profissionais da área no ES, GO, PA e PI.

  • A Educação é assunto de todos

Como levar o debate sobre gestão educacional para além dos muros da escola e secretarias? Como fazer para que cada brasileiro e brasileira se enxerguem nos dilemas e nas soluções encontradas para a melhoria da educação pública? Foram essas inquietações que levaram o Instituto Unibanco a investir em narrativas e formatos que transportem o imaginário de todos para esse lugar em comum: a escola que cada um frequentou ou frequenta. Desse esforço nasceram o documentário “Nunca me Sonharam”,  , e o livro digital “Ser diretor – uma viagem por 30 escolas públicas brasileiras. O documentário foi premiado como melhor documentário do ano pelo festival americano Los Angeles Brazilian Film Festival. E o livro foi finalista do 60º Prêmio Jabuti para melhor Projeto Gráfico.

  • A hora e a vez das meninas II

É lançado o segundo edital Gestão Escolar para Equidade: Elas nas Exatas. A ONU Mulheres passa a fazer parte das instituições parceiras, ao lado do ELAS Fundo de Investimento Social, e a Fundação Carlos Chagas.

  • Diálogo com as Juventudes II

Na segunda edição dos Diálogos sobre Gestão Escolar, um convite à reflexão dos jovens sobre o tema, participaram mais de 3.700 estudantes e gestores em seis estados.

  • Expansão nacional

O programa Jovem de Futuro chega a 143 escolas da rede estadual do RN, alcançando cerca de 147 mil estudantes. O Estudar Vale a Pena é ampliado para o ES, GO e CE.

  • Seminários

Novamente em parceria com Insper e Folha de S. Paulo, é realizado o segundo seminário internacional Caminhos para a Qualidade da Educação Pública: Impactos e Evidências. Na ocasião, são apresentados os resultados da análise de impacto sobre 141 grupos de estudantes de dez estados participantes do Jovem de Futuro. O resultado mostrou um acréscimo de 5 pontos do Saeb, o que equivale a um ano a mais de frequência à escola. Promove também, com o Conselho Nacional de Secretários de Educação, o primeiro Seminário Internacional Desafios Curriculares do Ensino Médio.

  • O estudante como ator da inovação

A aposta no jovem como um ator de inovação, capaz de propor soluções, ancoradas no uso de tecnologia, para os desafios que ele enfrenta na escola levou o Instituto Unibanco a criar os IUHacks. Inspirados nos hackatons, as maratonas hackers, os IUHacks são jornadas de aprendizagem de 32 a 36 horas, nas quais os alunos acampam na escola. Ao longo do ano, foram feitos cinco IUHacks, com a participação de cerca de 50 estudantes de cada um dos cinco estados do programa Jovem de Futuro.

  • Diálogo com as Juventudes

Novamente, a confiança na capacidade de o jovem propor soluções para os desafios da escola leva o Instituto a colocar o estudante no centro do debate. Em conjunto com as secretarias de Educação, o Instituto Unibanco realiza os Diálogos sobre Gestão Escolar, em que mais de 1.900 jovens receberam informações sobre o modelo de gestão escolar, fizeram suas proposições e deixaram, como um dos resultados dos encontros, produções artísticas ou literárias sobre o tema.

  • Futuro em expansão

O programa Jovem de Futuro começa nova fase no ES, PA e PI. O ProEMI/JF segue no CE e em GO.

  • Produção de conhecimento

Depois de oito anos de muito trabalho e aprendizagem conjunta com pesquisadores, educadores e gestores públicos, o Instituto decide estruturar e compartilhar a experiência e o conhecimento construído até então. Com esse intuito, lança em parceria com o Insper e a Folha de S. Paulo a série de eventos Caminhos para a Qualidade da Educação Pública, para discutir temas relevantes do mundo da educação. Em sua primeira edição, o seminário abordou a importância da gestão para a transformação da educação.

  • A hora e a vez das meninas

Lançado no segundo ano da série Gestão Escolar para Equidade, o edital Elas nas Exatas selecionou 20 projetos de escolas públicas das cinco regiões do país que, de diferentes maneiras, apoiam a atuação feminina nas áreas de ciências e exatas.

  • Avanço com equidade

Com o objetivo de apoiar iniciativas que promovam a equidade no Ensino Médio, o Instituto lança a série de editais Gestão Escolar para a Equidade. Neste primeiro ano, o foco é na questão racial.

  • Implementação em escala

O ProEMI/JF começa a ser implementado em escala nas escolas de Ensino Médio de CE, GO, MS, PA e PI.

  • Ensino Médio Inovador

O programa Jovem de Futuro passa a ser articulado ao programa Ensino Médio Inovador, do MEC, que busca desenvolver propostas curriculares inovadoras nas escolas de Ensino Médio (e passa a ser conhecido pela sigla ProEMI/JF).

  • Estudar Vale a Pena

O programa Estudar Vale a Pena, que estimula os jovens a refletir sobre as consequências futuras de suas decisões de hoje, é lançado como um projeto piloto em São Paulo (SP).

  • Tecnologia educacional

Com base nos resultados colhidos nos primeiros projetos, o programa Jovem de Futuro é reconhecido como tecnologia educacional pelo MEC – reconhecimento essencial para a escala alcançada pelo programa nos anos posteriores.

  • Jovem de Futuro

Início do projeto piloto Jovem de Futuro em 197 escolas nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Nessa etapa, o programa envolve assessoria técnica, programas de formação, análises de dados e apoio de sistemas tecnológicos para impactar o aprendizado dos estudantes.

  • Ensino Médio

Neste ano, o Instituto define que seu foco se concentrará no Ensino Médio, a etapa da educação que concentra os maiores desafios, refletidos nos baixos índices de aprendizagem e nas altas taxas de abandono e evasão escolar.

  • Foco na educação

Ao completar 20 anos, decide focar sua atuação na área de educação, e passa a desenvolver projetos próprios.

  • Fundação

Em sua primeira fase, o Instituto Unibanco apoia projetos sociais de variadas organizações, em diferentes áreas.