TOPO

Jovem de Futuro: 10 anos contribuindo com a Educação no Ceará

30/05/2022 | Editado em 27/05/2022 17:23

Parceria que vem desde 2012 ajudou a estruturar a gestão para que o estado desse salto no Ideb do Ensino Médio em 2017 e seguisse evoluindo

Quando, em 2017, o Estado do Ceará saltou da 12ª posição para a 4ª no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Ensino Médio, a comemoração foi enorme. Afinal, o avanço era resultado de muito empenho de toda a rede da educação, que lutava há tempos para que o Ensino Médio no estado estivesse à altura dos resultados do Ensino Fundamental, que já figurava entre os melhores do país.

Neste texto, conversamos com profissionais e estudantes que vivenciaram esse processo para entender de que forma o programa Jovem de Futuro, que começou a ser implementado no Ceará em 2012, contribuiu para essas mudanças.

Alguém que conhece muito dessa história é Elizabete Araújo, a Bete, professora efetiva da rede estadual. Hoje Assessora Especial do gabinete da Secretaria da Educação do Ceará (Seduc-CE), ela entrou em 2005 na rede estadual, integrando a Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE) em Russas.

Para Elizabete Araújo, o Jovem de Futuro já é parte integrante da rede de Educação do Ceará

Em 2012, quando já era coordenadora regional em Jaguaribe (CE), ela acompanhou a implantação do Jovem de Futuro, iniciativa do Instituto Unibanco que acabava de aportar no estado. Ela lembra que, durante o início da implementação do programa, era muito forte o protagonismo juvenil, tendo os estudantes como participantes de todo o processo e que “o Jovem de Futuro trouxe para a rede um olhar mais instrumental, do acompanhamento, do desenvolvimento de ações focadas no direito à aprendizagem”, explica.

“O programa trouxe um método, que era uma das premissas importantes, e deu organicidade ao nosso fluxo de liderança, inclusive da Secretaria para as escolas e das escolas para a comunidade”, lembra.

Outro momento importantíssimo, ela conta, foi em 2017, quando, com apoio da parceria, o Ceará deu um grande um salto no Ideb do Ensino Médio, passando de 3,46 para 4,22 no índice, alcançando a quarta posição entre os estados. Dois grandes movimentos contribuíram para isso. O primeiro foi a reestruturação do Jovem de Futuro no estado, que reforçou seu foco na gestão, outro foi a intensa campanha de mobilização da rede pelos resultados no Ideb, que culminou no ótimo resultado.

Construindo em conjunto

Quem nos ajuda a resgatar um pouco mais dessa história é a orientadora da Célula de Formação Docente e Ensino a Distância da Seduc-CE, Edite Lourenço. Professora de biologia, ela começou na rede estadual em 2002. Em 2013, assumiu a superintendência escolar, época em que o Ceará já trabalhava com o programa Jovem de futuro, então associado ao ProEMI, o Programa Ensino Médio Inovador, do Governo Federal. Nessa época, chamaram-lhe a atenção as metodologias ativas, como o Estudar Vale a Pena, o Agente Jovem e a Superação, que unia professores e estudantes.

Formações do programa marcaram a história da professora Edite Lourenço, orientadora da Célula de Formação Docente e EAD da Seduc-CE

De 2016 para 2017, segundo a professora, o Jovem de Futuro reforçou o Circuito de Gestão no estado, ajudando as escolas, as regionais e a Secretaria a propor uma organização da gestão escolar a partir de prioridades. É dessa época que ela lembra com mais carinho, de quando participou das formações do GEPRA (Gestão Escolar para Resultados de Aprendizagem): “a gente se torna parte, a gente constrói, isso aí que faz a diferença. Você não só recebe aquela formação, mas você pode customizá-la”.

Na opinião dela, o Circuito de Gestão é uma tecnologia já incorporada ao estado, que deve se manter independentemente de governos:

“a gente não teria mais como retroceder de ter uma ação tal qual o circuito ou semelhante a ele porque ele reorganiza a gestão escolar e, a partir dela, dá um norte de ações”.

“Nunca me Sonharam”

Para Felipe Lima, que estudou em escolas parceiras do Jovem de Futuro de 2013 a 2016, programa foi um divisor de águas, mudando sua vida de “aluno problema” para um estudante dedicado, envolvido e que, inclusive, inspira outros jovens por meio de palestras.

Para Felipe Lima, hoje formado em Administração de Empresas,
o Jovem de Futuro ajudou a transformar sua vida por meio da Educação

Hoje bacharel em Administração de Empresas e pós-graduando em Recursos Humanos, ele chegou a repetir o primeiro ano do Ensino Médio em 2013.  Na nova escola, o programa Jovem de Futuro estava implantado e funcionava: “as disciplinas e todos os projetos eram muito diferentes do que eu conhecia, colocavam o jovem como protagonista”, conta.

“Aos trancos e barrancos”, e com ajuda de dois professores, Felipe acabou se envolvendo e se tornando um dos melhores alunos da classe. É dele o depoimento que dá nome ao documentário “Nunca me Sonharam”, de 2017, que fala sobre a realidade da juventude brasileira. No filme, ele fala sobre como seus pais, agricultores, pensavam o futuro do filho:

“Eles nunca me sonharam sendo um psicólogo, nunca me sonharam sendo um professor, nunca me sonharam sendo um médico, não me sonharam. Eles não sonhavam e nunca me ensinaram a sonhar. Tô aprendendo a sonhar sozinho”, conta o jovem no filme.

Também entrevistado no Nunca me Sonharam, José Márcio dos Santos Macêdo é formado em Design Gráfico e estuda autores negros para construir um design decolonial. Nascido em Nova Olinda (CE), onde mora até hoje, conheceu o Jovem de Futuro fazendo trabalhos para escolas da rede que tinham o projeto, que considera “transformador”.

José Márcio dos Santos Macêdo acredita no papel libertador da Educação. Para ele, o Jovem de Futuro ajuda a transformar vidas

“Sou essa pessoa que acredita na educação como um lugar de libertação”, conta, e vai além: “Educação é uma semente que se planta para colher lá na frente. Mas a galera da periferia tem fome hoje e precisa comer amanhã. E para se pensar educação nesse lugar, é muito complexo, então eu nunca vou julgar um camarada que infelizmente não permaneceu na educação porque teve que trabalhar. Mas eu sempre vou cobrar daquele camarada que saiu da rua, que pôde estudar, que faça da educação um ato de transformação”.

Seminário e comemoração

Acontece nos próximos dias 2 e 3 de junho, em Fortaleza (CE), o Seminário de Diretores – Liderança escolar e aprendizagem: perspectivas para a escola do presente e do futuro, promovido pela Secretaria da Educação do Estado do Ceará (Seduc-CE) e pelo Instituto Unibanco, por meio do programa Jovem de Futuro.

O evento, que como o nome diz, tem por objetivo fazer um balanço dos caminhos da educação no estado, é também uma comemoração pelos 10 anos da implementação do programa Jovem de Futuro no Ceará, uma parceria do Instituto Unibanco e da Seduc-CE que vem transformando a qualidade da educação no estado por meio da melhoria da gestão de toda a rede educacional.

Compartilhe esta notícia!