TOPO

Rodrigo Mendes visita o IU e participa de bate-papo sobre educação inclusiva

06/02/2014 | Editado em 06/02/2014 11:32

O Instituto Unibanco (IU) recebeu, na última quarta-feira (5/2), a visita de Rodrigo Mendes, diretor e fundador do Instituto Rodrigo Mendes, para um bate-papo sobre os desafios para a inclusão de estudantes com deficiência no Ensino Médio.

Durante a conversa, foram debatidas algumas das barreiras que os alunos com deficiência enfrentam para ter acesso à educação escolar, como a superproteção familiar, o medo, a falta de responsabilidade legal e a ausência de um atendimento singular.

Segundo o diretor, para mudar esse quadro nos próximos 30 anos, é necessário reduzir os graus de injustiça e desigualdade enfrentados pelas pessoas com deficiência. “Se não transformar a escola, a ideia de inclusão é inviável”, disse. Para ele, a inclusão é uma oportunidade para melhorar a educação de todos os alunos, pois faz com que a escola questione o modelo tradicional, pouco atento às singularidades.

Mendes também apresentou a evolução do número de estudantes com deficiência em escolas regulares no Brasil. A quantidade de matrículas passou de 1.090, em 2007, para 42.499, em 2012. Já no Ensino Superior, apenas 20 mil pessoas com deficiência estão cursando alguma faculdade.

Além disso, Mendes apresentou os cinco princípios para uma educação inclusiva. São eles: toda criança tem direito ao acesso a uma educação de qualidade; toda criança aprende; o processo de aprendizagem é singular; o convívio no ambiente escolar beneficia todos; a educação inclusiva diz respeito a todos. “Inclusão pode ser uma oportunidade para melhorar a escola como um todo”, explicou o diretor.

O superintendente do IU, Ricardo Henriques, também participou do bate-papo. Segundo ele, se a política educacional fosse organizada a partir das diferenças, a sociedade teria mais condições de superar a atual condição de desigualdade da educação, não só para pessoas com deficiências, mas para todos.

“A inclusão pode ser uma oportunidade para melhorar a escola como um todo, é uma mudança de visão e atitude política. E se a política educacional é construída sob a perspectiva de atender com qualidade a pessoa com deficiência, essa premissa também vai orientar um olhar para outras populações que enfrentam desigualdades. É a possibilidade de transição mais rápida para uma sociedade igualitária”, afirmou o superintendente.

O IU é parceiro do Instituto Rodrigo Mendes e apoia a causa da Educação Inclusiva. Saiba mais sobre a organização nos sites www.institutorodrigomendes.org.br e www.diversa.org.br

Compartilhe esta notícia!