TOPO

COMO FUNCIONA

FORMA DE ATUAÇÃO

O programa conta com um método chamado de Circuito de Gestão. Criado exclusivamente para o sistema educacional brasileiro, este incorporou métricas nacionais, o calendário letivo, a estrutura administrativa prevista na Lei de Diretrizes e Bases (LDB), a cultura e a forma de funcionamento das escolas e secretarias.  Ele é implementado por meio de uma parceria entre o Instituto Unibanco e as redes estaduais de educação, com atuação nas três instâncias: nas escolas, nas regionais e na secretaria.

 

Infográfico do Circuito de Gestão

CIRCUITO DE GESTÃO

O método Circuito de Gestão foi inspirado no ciclo PDCA, acrônimo em inglês para planejar, fazer, checar e agir (Plan, Do, Check and Act). Através de uma sequência de ciclos, o Circuito de Gestão propicia a análise, a revisão e o aprimoramento de cada ação, promovendo assim o avanço contínuo da gestão escolar. O Circuito de Gestão possui seis etapas: (1) Pactuação de Metas; (2) Planejamento; (3) Execução; (4) Avaliação de Resultados; (5) Compartilhamento de Práticas e (6) Correção de Rotas.

Gestão para o Avanço Contínuo da Educação

O programa culmina no avanço contínuo graças aos três passos fundamentais da prática científica adaptada para a área de gestão: definição de hipótese, experimento e avaliação. O gestor age com base na avaliação feita a partir da análise do que ocorreu na fase de execução. O ciclo se repete e, a cada rodada, as hipóteses são aperfeiçoadas e submetidas a novos testes empíricos até que evidências suficientes tenham sido acumuladas.

Para institucionalizar a Gestão para o Avanço Contínuo, é preciso tempo para que essa sequência de processos ocorra. Por isso, o programa busca parcerias de longa duração com os estados, organizada em três fases, que totalizam oito anos.

COMUNIDADE DE PRÁTICAS

No final do ano de 2019, iniciamos a implementação de Comunidades de Prática como uma forma de fortalecer a construção e troca de conhecimento entre os participantes do programa Jovem de Futuro. A iniciativa se conecta com o aprendizado a partir da prática dos participantes.

Comunidades de Prática é um conceito de construção de conhecimento que surgiu na década de 1980. Seu embrião foi o programa Apple Classrooms of Tomorow (ACOT) em cinco escolas nos Estados Unidos, que propunha uma participação mais ativa dos estudantes na processo de aprendizagem.  As comunidades de prática se consolidaram como redes de troca de práticas horizontal, baseada em relações de confiança, orientadas para o avanço contínuo.

O programa conta hoje com 23 comunidades nos estados do Ceará, Espírito Santo e Goiás, com 50 participantes em cada uma delas. Cada comunidade reúne um perfil de participante: supervisores, coordenadores pedagógicos das escolas, professores e alunos.