TOPO

Veja como uma escola de Campinas usou mídias sociais para fortalecer laços entre professores e alunos

07/04/2020 | Editado em 10/06/2020 20:58

Na EMEF Maria Pavanatti Fávaro, localizada em uma região periférica de Campinas (SP), antes mesmo da interrupção das aulas, a equipe gestora já vinha desenvolvendo uma série de ações com o objetivo de incorporar as redes sociais e os recursos digitais ao processo de aprendizagem. A escola conta com página no Facebook, grupo da comunidade escolar também no Facebook, perfil no Instagram e canal no YouTube. “Através de tudo isso tentamos conversar”, explica a diretora Sandra Shaffirovits.

Com a paralisação das atividades da escola, foi lançada uma plataforma digital (padlet) com informações e sugestões de atividades para cada uma das turmas (ciclos I e II do Ensino Fundamental e EJA) e um whatsapp geral só para informações. Atenta à importância de seguir em diálogo com as famílias e os estudantes e fortalecer os vínculos com a comunidade mesmo a distância, a escola iniciou a realização de lives pelo instagram. Na primeira transmissão, realizada no último dia 3 em parceria com o coletivo Margem Cultural, os seguidores puderam conferir o pocket show acústico do músico e educador Paulo Lobo. Uma bate-papo com uma médica que foi infectada pela covid-19 estava prevista para segunda live.

“É conversa! Falar sobre cuidados, o que fazer com as crianças e, no caso da primeira live, falar sobre cultura da periferia”, conta a diretora, que já percebe uma intensificação da participação das famílias na quarentena. “Aumentou a interação dos pais, eles começam a entender melhor qual é a função da rede social para escola”, afirma.

Compartilhe esta notícia!