TOPO

Professores: os agentes de transformação

17/10/2022 | Editado em 17/10/2022 17:38

Neste último sábado foi o Dia dos Professores, uma data dedicada a homenagear os profissionais, que não são apenas responsáveis por preparar seus alunos para as provas, mas sim para os desafios do dia a dia. Não por acaso, diversos autores já destacaram a importância dos docentes na vida dos estudantes. Hanushek, em parceria com Piopiunik e Wiederhold, apontou que as habilidades cognitivas dos professores podem explicar até 15% da variação nas notas dos alunos. Mankiw, Romer e Weil alegaram que os países com os maiores níveis de escolaridade são os que têm melhores condições de bem-estar e crescimento econômico.

Quando pensamos em nações que são exemplo em desenvolvimento econômico e de educação de qualidade, como Finlândia, Austrália, Japão e Estados Unidos, a realidade brasileira parece muito distante. O que já foi apontado até por avaliações, como no último PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), de 2018, que mede conhecimentos dos estudantes na faixa etária dos 15 anos em leitura,  matemática e ciências. Nele, o Brasil aparece em  57º no ranking, muito distante dos países citados. Mas é preciso reconhecer que, mesmo a passos lentos, a educação brasileira e as condições de quem ensina no país têm melhorado nos últimos anos.

Segundo dados do IBGE, o número de pessoas com 25 anos ou mais que completaram o Ensino Médio aumentou 3,8% nos anos de 2016 a 2019, passando de 45,0% a 48,8%. De acordo com artigo do IPEA, o salário médio de educadores municipais cresceu 76%, e o de professores estaduais 47%, entre 1989 e 2017, contrastando, por exemplo, com os 18% no ensino privado. Essas melhorias são em boa parte resultado de políticas como o Fundeb, o piso nacional do magistério e a legislação sobre a exigência do ensino superior para a formação docente.

Mesmo assim, sabemos que a situação de quem ensina no Brasil ainda está longe de ser ideal. E para transformar essa realidade da educação brasileira é preciso muito mais do que bons salários. 

Como melhorar a condição de trabalho dos docentes?

Para termos boas condições de trabalho é preciso investir em políticas públicas que solucionem problemas enfrentados diariamente por esses colaboradores na sala de aula. Segundo o relatório do Profissão Professor, realizado pelo Todos pela Educação em parceria com o Itaú Social, 34% dos professores discordam que a formação inicial ajude a enfrentar os desafios do começo da docência.

Para resolver essa questão uma possível solução seria formar mais professores em cursos de especialização, como as pós-graduações. Um objetivo que já está previsto no Plano Nacional de Educação (PNE), de que 50% dos educadores devem ter nível de pós-graduação e 100% desses profissionais tenham curso de formação continuada até 2024. Porém essa meta está estagnada.

Outro desafio que muitos mestres enfrentam são problemas de saúde agravados pelo emprego. Segundo pesquisa online realizada pela Associação Nova Escola, 66% das professoras e professores já precisaram se afastar do trabalho por questões de saúde, sendo que 87% dos participantes acreditam que o seu problema é ocasionado ou intensificado pelo trabalho. Algo que também poderia ser resolvido com programas de assistência à saúde física e mental a esses profissionais e colocando em prática uma das metas previstas pelo PNE, a Gestão Democrática – sistema em que funcionários, pais e alunos se unem para buscar melhorias na educação. 

Isso demonstra que no Brasil não faltam ideias para melhorias na educação e na docência, o que falta é colocar essas iniciativas em prática em âmbito nacional. E se você quiser conhecer ações que transformaram a educação ao redor das escolas do Brasil, que tal conferir o Banco de Soluções do Observatório de Educação? A plataforma do Instituto Unibanco oferece diversos conteúdos inspiradores sobre iniciativas que impactaram a vida de diversos estudantes. 

Leia também no jornal O Globo a coluna de Ricardo Henriques, superintendente executivo no Instituto Unibanco, e escute o podcast “Conselho de Classe” na CBN, que abordam a importância de valorizar o professor.

 

Compartilhe esta notícia!