TOPO

Os desafios da gestão escolar democrática

07/10/2022 | Editado em 07/10/2022 10:52

Uma gestão escolar democrática é aquela que une a comunidade escolar (estudantes, pais e funcionários) para participar junto das tomadas de decisões nos mais diversos aspectos da administração da escola, como planejamento, implementação e avaliação. Segundo os rankings educacionais, a maioria das escolas bem colocadas no quesito aprendizado têm uma boa relação e parceria entre educadores, pais e familiares dos alunos. Apesar desses bons resultados, na prática não é tão simples aplicar esse modelo, já que é preciso reunir diferentes pessoas e opiniões nas tomadas de decisões.

Para facilitar o diálogo, vários grupos podem atuar diretamente com os trabalhadores das escolas para buscar resolver os problemas e promover melhorias, como os grêmios estudantis, o conselho de escola e a Associação de Pais e Mestres. 

O exemplo da escola Ana Lopes Balestrero

Um exemplo do impacto positivo da gestão escolar democrática é o caso da escola Ana Lopes Balestrero, localizada no Espírito Santo. O local sofria com a violência do entorno, o que resultava em desinteresse dos alunos, ausência de professores e migração dos melhores estudantes para outras escolas, notas baixas e baixa adesão às avaliações externas.

A solução encontrada pela equipe gestora para começar a mudar essa realidade foi investir em uma gestão democrática e transparente, em que todos tinham acesso ao orçamento e discutiam prioridades. Também foram estabelecidas reuniões trimestrais com a equipe gestora e os alunos. 

Esse novo modelo de gestão trouxe aumento nas matrículas e redução nas faltas de alunos e docentes. Além disso, foram formadas parcerias com outras instituições, como a Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) e a Secretaria de Direitos Humanos, que passaram a oferecer aulas de violão, canto e percussão e a compra de equipamentos solicitados pelos estudantes como sistema de som, mesa de pebolim e de pingue-pongue, e videogame, o que deixou a escola mais atrativa para os jovens.

Você também pode conferir um outro colégio que foi transformado pela Gestão Escolar Democrática por meio do documentário Adolescer, que foi selecionado no Edital Conexão Juventudes.

Como disseminar esse tipo de exemplo pelas escolas do Brasil?

Apesar de não existirem dados oficiais de quantas escolas têm Associação de Pais e Mestres, o Observatório do PNE aponta que em torno de 70% das cerca de 130 mil escolas participantes do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) apresentam instituições desse tipo.

Isso demonstra que não faltam grupos para a aplicação de uma gestão democrática, mas sim a conscientização sobre o poder transformador desse modelo nas escolas para que mais unidades de ensino possam ser transformadas, como aconteceu na escola Ana Lopes Balestrero.

Para aumentar o rendimento escolar é necessária a participação da comunidade escolar. Os pais e familiares têm uma grande influência neste aspecto. De acordo com Priscila Fonseca da Cruz, presidente executiva do movimento Todos Pela Educação: “No caso brasileiro, os estudos mostram que 50% do desempenho dos alunos no aprendizado, em média, está diretamente ligado ao apoio e à participação dos familiares.”

Você já conhece o Banco de Soluções do Observatório de Educação? A plataforma do Instituto Unibanco oferece diversos conteúdos sobre o Ensino Médio e a gestão em educação pública.

 

 

Compartilhe esta notícia!